Como forma de manter o acompanhamento dos estudantes com deficiências, a professora Noadias Novaes criou o projeto Atendimento Educacional Especializado (AEE) na Quarentena para ministrar aulas na frente da casa de famílias, em Itapipoca. A iniciativa é bem recebida pelos pais da comunidade Betânia do Cruxati, e região, onde o acesso a internet é limitado.Pelo menos duas vezes na semana a professora promove atividades de grafomotricidade, relacionada às habilidades gráficas e de escrita, e dinâmicas lúdicas. “Eu montei o projeto e eu sou orientada por um amigo microbiologista que me ensina como fazer a esterilização das apostilas, como manter a distância, para que não aconteça nenhuma contaminação”, pontua. Nas comunidas, agentes de saúde também contribuem para as ações educativas.

Fonte: Diário do Nordeste