Itapipoca é conhecida pela cidade dos 3 climas 
Data desta publicação: 03/08/2019 as 13:44

A cidade de Itapipoca, localizado na região Norte cearense, é considerada a menos violenta do Nordeste, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos da Violência da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, divulgada no final do mês de julho. O município possui 126 mil habitantes e 14 homicídios registrados em 2016, no qual gerou uma taxa de 11,09%,esse relatório é do “Ranking da Violência no Brasil. Diagnóstico dos Dados por Agressão. Cidades com 100 Mil habitantes e Mais”, da UFCG. Os dados foram resgatados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM/DATASUS) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e correspondem ao ano de 2016,o ceará tem nove municípios no ranking. De acordo com o estudo, Maracanaú é a mais violenta do Estado, a sexta nacionalmente e fica em quarto lugar na lista relacionado ao Nordeste, perdendo apenas para três cidades da Bahia: Lauro de Freitas, Porto Seguro e Eunápolis,a capital cearense é a quinta mais violenta do Estado,os demais municípios cearenses presentes no ranking são Juazeiro do Norte, Caucaia, Maranguape, Crato, Iguatu e Sobral. Veja a tabela.


Conforme dados do estudo, das dez cidades mais violentas em suas taxas de homicídios, cinco são nordestinas (três na Bahia, uma no Ceará e em Sergipe), três nortistas (no estado do Pará), uma sudestina (no Rio de Janeiro) e uma do centro-oeste (Goiás). Veja a tabela.


O município de Queimados, no Rio de janeiro, é considerado o município mais violento do Brasil, com uma taxa de 116,93 por cem mil habitantes. Valinhos, em São Paulo, tem o menor índice do país (1,64),segundo dados do IBGE, do total de 5.567 municípios brasileiros, apenas 299 deles, ou 5,4% têm populações de 100 mil ou mais habitantes. Essas cidades juntas foram responsáveis por 59,3% de todas as mortes por agressão do país. Além disso, esta foi à faixa populacional que norteou o estudo.

Fontes: O povo online
Curta a página do nosso blog no Facebook: é só clicar aqui